PRESIDENTE

Conheça o Presidente da associação dos Aposentados

presidente

CID FERREIRA

PRESIDENTE LICENCIADO ATÉ (15-11-20)

Documento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social.

 

Palavra do Presidente: Estes dias, recebemos, do aposentado José Valentim Zillo, uma carta muito coerente sobre a Previdência Social. Por achar seu posicionamento interessante para nós, membros da sociedade, resolvi compartilhar.

Cid Ferreira
Presidente

Carta recebida do aposentado José Valentim Zillo, uma carta muito coerente sobre a Previdência Social. Por achar seu posicionamento interessante para nós, membros da sociedade, resolvi compartilhar.

Jundiaí, 03 de março de 2017

À Diretoria da Associação dos Aposentados de Campinas e Região Campinas-SP

Prezados senhores:

Para conseguir aprovar sua proposta de reforma da Previdência Social, o Governo usa de chantagem, quando afirma que, sem as mudanças, não poderá continuar pagando os benefícios, ou terá que aumentar os impostos.

A tática do governo é bem clara, como os brasileiros não aceitam mais aumentos de impostos ele usa uma via indireta, aumentando drasticamente o tempo de contribuição e diminuindo o valor dos benefícios, para que possa desviar recursos muito maiores para outras finalidades, através da DRU-Desvinculação de Receitas da União, que usurpa 30%, sim, é isto mesmo, trinta por cento de todos os recursos que deveriam ser usados apenas para financiar a Seguridade Social, isto é, Assistência Social, Previdência e Saúde.

O governo exagera nas propostas de reforma da Previdência, para usar isto como moeda de troca, cedendo depois em alguma coisa, passando a imagem de bonzinho e de que não é intransigente, mas com certeza não vai ceder na proposta de implantar a idade mínima de 65 anos para aposentadoria de homens e mulheres.

O jornalista Murilo Ramos, revista Época informou, recentemente, que os deputados federais Carlos Marun, do PMDB do Mato Grosso do Sul, e Julio Lopes, do PP do Rio de Janeiro, procuram o presidente Michel Temer para solicitar ação da Advocacia Geral da União para impedir a ANFIP de continuar divulgando informações que mostram que a Previdência Social não é deficitária.

Por que será que eles não querem a divulgação de tais informações?

A pretendida reforma da previdência vai procurar muitas alterações nas leis, inclusive na Constituição Federal, e, neste caso, o governo vai precisar do voto de 342 deputados e de 54 senadores, no mínimo, sendo que o assunto é complexo, as informações que o governo fornece não são confiáveis, e as entidades que defendem dos trabalhadores e os aposentados deveriam ter a oportunidade de participar de todos os debates e ter na mídia o mesmo espaço que tem o governo.

A quem interessa tanta pressa?

A ANIFIP foi fundada em 1950, e a Fundação ANFIP em 1991, por fiscais previdenciários, são entidades idôneas, sem qualquer ligação com partidos políticos, acompanham todas as questões ligadas à previdência social pública desde que foram fundadas e são referência nacional para o tema.

A proposta mais parece um saco de maldades, pois entre outras coisas, pretende elevar para 70 anos a idade mínima para obter um BPC- Benefício de Prestação Continuada, no valor, por enquanto, de um salário mínimo mensal, em um país que maltrata e despreza seus idosos.

Também podemos destacar das propostas, aquela que, se aprovada, fará com que um trabalhador pobre tenha que contribuir por muito mais tempo para aposentar e receber um benefício no valor de um salário mínimo mensal, ou menos, pois o governo cogita igualmente de desvincular o valor dos benefícios do salário mínimo. Com isto pretende ainda dificultar o retorno do trabalhador à ativa, o que ocorre na maioria das vezes por necessidade, visto que o valor da aposentadoria é quase sempre irrisório, diminuindo assim os índices de desemprego, impedindo na prática a desaposentação e pagando benefícios por um tempo muito menor.

Um dos muitos efeitos colaterais maléficos da referida reforma será gerar ainda mais desconfiança e insegurança, pois os contribuintes convivem com constantes mudanças, como a  criação do nefasto Fator Previdenciário, que impõe grave diminuição no valor dos benefícios, e mudanças mais recentes, como a fórmula 85/95 e a Fórmula 90/100, que são suficientes para solucionar quaisquer dos alegados problemas, desde que a gestão da Previdência seja feita por funcionários de carreira, sem qualquer interferência político/partidária, e sem desvios de verbas.

Devem estar muito felizes os gestores dos fundos de previdência privada, pois junto com o governo, serão os grandes beneficiados se as reformas forem aprovadas como estão sendo propostas.

Os grandes prejudicados, como sempre, sabemos quem serão.

A quase destruição da Petrobrás, os rombos financeiros gigantescos ocorridos nos fundos de pensão das empresas estatais, as irregularidades ocorridas no Bolsa Família, Minha Casa-Minha Vida, FIES, o recente escândalo da transferência de patrimônio público bilionário para as empresas de telecomunicação, a Lava Jato, obras públicas que nunca acabam, como a Ferrovia Transnordestina, a Ferrovia Norte-Sul, Transposição das Águas do Rio São Francisco, e outros infindáveis casos de desperdício de dinheiro público, mostram que os sucessivos governos são péssimos administradores, o que evidencia a urgente necessidade de proibir o aparelhamento político/ partidário da gestão pública e endurecer a punição aos infratores.

Sim, de fato é utópico, pois a Câmara Federal, agindo em causa própria, desfigurou o projeto de iniciativa popular que estabeleceria as 10 Medidas Contra a Corrupção, sendo que a possibilidade de prisão em segunda instância vive dias incertos, pois poderá mudar com a nomeação do novo ministro do STF. A isto podemos acrescentar que os nossos tribunais, com raras exceções, são demasiadamente tolerantes com os gestores públicos.

Que país é esse, em que estão combinadas a possibilidade de recursos legais ilimitados com a prescrição de prazos? É o paraíso da impunidade, que enriquece as grandes bancas de advocacia e perpetua as injustiças!

Nada a esperar de melhor dos atuais e futuros parlamentares que, com a atual legislação eleitoral, tem a certeza de se reelegerem quantas vezes quiserem e continuarem legislando em causa própria, com raras exceções.

Destaquemos, porém, algumas questões que podem contribuir para um debate sério e isento da reforma da previdência: com 12 milhões de desempregados e a brutal recessão econômica que estamos vivendo, é natural que ocorra expressiva diminuição na arrecadação das contribuições e dos impostos que sustentam a Seguridade Social, o que poderia ser perfeitamente amenizado, até a retomada do desenvolvimento econômico, com uma gestão previdente, eficiente e eficaz, sem desvios de verbas.

Reforma justa seria aquela que abrangesse todos os cidadãos, incluindo servidores públicos, militares, políticos e trabalhadores em geral, garantindo os direitos inerentes ao exercício de determinadas profissões, sem privilégios, que fosse baseada nos fatores idade/tempo de contribuição, e que garantisse, ao longo do tempo, o poder aquisitivo dos benefícios.

Recursos da Seguridade Social deveriam ser intocáveis e o seu desvio, sob qualquer pretexto, deveria ser considerado pedalada fiscal e punindo como crime de responsabilidade.

Sujeita à mesma punição deveria ser o aparelhamento político/partidário dos órgãos públicos, as isenções e renúncias fiscais indevidas, bem como a omissão na cobrança das dívidas dos contribuintes e da sonegação, por parte dos governos municipais, estaduais e federal, do pagamento das contribuições previdenciárias patronais.

Também seria indispensável a adoção, nos três níveis de governo, de mecanismos eficientes e eficazes de combate às fraudes e à concessão de benefícios indevidos.

Não nos iludamos: a reforma será feita conforme o governo pretende pois ele conta com a convivência da maioria pois ele conta com a convivência da maioria dos parlamentares, com o poder das verbas publicitárias e com a omissão da maioria dos cidadãos, que reclamam, reclamam, reclamam, mas continuam deitados em berço esplêndido!

Resta-nos, pois, tentar diminuir os seus impactos negativos, mas para isto a participação da mídia e dos cidadãos é importantíssima, na medida em que pode fazer com que a verdade se estabeleça, sendo que já é tempo de os fornecedores de opinião refletirem sobre tudo isto e ajudarem a viabilizar a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, em que o povo terá a oportunidade de exercer o seu poder.

Em anexo, segue cópia dos estudos realizados pela ANFIP- Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal, na qual participam antigos fiscais previdenciários, com profundo conhecimento à respeito de Previdência Social Pública e que, com informações sérias, honestas e isentas, desmascaram o falso déficit previdenciário e mostram que são necessárias poucas mudanças nas normas e muitas na gestão da Seguridade Social.

 

            Grato pela atenção

            Atenciosamente.

            José Valentim Zillo

           RG 6.599.479.6-SSP-SP

           Josevalenti86@gmail.com.br

           Rua Anchieta, 175- Apto. 31- Vila Boaventura

           13201.804- Jundiaí-Sp

Jornal do Idoso

Acompanhe as noticias

Benefícios

Conheça os Benefícios que o associado tem a disposição.

Galeria de Fotos

Veja todas as fotos dos eventos da associação dos aposentados.

Eventos

Acompanhe todos os eventos que disponibilizamos para os associados.

Galeria de Fotos

Veja todas as fotos dos eventos da associação dos aposentados.

Eventos

Acompanhe todos os eventos que disponibilizamos para os associados.

Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.